Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/1094
metadata.dc.type: Dissertação
Title: O efeito da musicoterapia organizacional na redução do nível de estresse de profissionais da saúde de um hospital público
metadata.dc.creator: Matoso, Leonardo Magela Lopes
metadata.dc.contributor.advisor1: Oliveira, Agostinha Mafalda Barra de
metadata.dc.contributor.referee1: Oliveira, Alan Martins de
metadata.dc.contributor.referee2: Macena, Raimunda Hermelinda Maia
metadata.dc.description.resumo: Vive-se na contemporaneidade um período de intensa competitividade, pressão e exigência no ambiente laboral; com isso, inúmeras doenças ocupacionais, em particular o estresse, acabam comprometendo a qualidade de vida dos trabalhadores e a dinâmica organizacional. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar a influência da musicoterapia organizacional receptiva nos níveis de estresse dos profissionais de enfermagem em um hospital público. Para alcançar o objetivo proposto, foi realizado uma pesquisa aplicada, de natureza explicativa, com procedimento quase-experimental, complementado com observação sistemática e entrevistas episódicas, em uma abordagem mista. O universo da pesquisa foram 200 profissionais de enfermagem de nível superior e técnico. Estes responderam um questionário sociodemográfico para sua caracterização e tiveram seus níveis de estresse mensurados pelo Inventário de Sintomas de Estresse para Adultos de Lipp. Os resultados iniciais indicaram que dos 200 profissionais, 32% foram classificados sem nenhum nível de estresse. Em contrapartida, 68% dos participantes estavam em algum nível de estresse. Dos profissionais que estavam com estresse, 45% encontravam-se na segunda fase, conhecido como resistência; 14,5% estavam na terceira fase, denominada de quase-exaustão; 7% foram classificados na primeira fase do estresse, conhecido como alerta; e 1,5% na última fase, classificado como exaustão. Dos 200 participantes, 74 foram selecionados para participar da musicoterapia receptiva organizacional. Após 30 dias de aplicação da musicoterapia receptiva, os 74 profissionais que participaram desta experiência tiveram seus níveis de estresse reavaliados e comparados com os níveis de estresse antes da intervenção musical utilizando o teste de Wilcoxon. Os resultados do teste evidenciaram que os níveis de estresse nas fases de resistência, quase-exaustão e exaustão foram minimizados após aplicação musical. Por sua vez, a fase de alerta aumentou consideravelmente depois da intervenção musical, e isso é positivo, tendo em vista que está é considerada como fase de manifestação do eustresse. Isso deveu ao fato de que os profissionais que estavam nas fases de exaustão e quase-exaustão tiveram seus índices de estresse reduzidos respectivamente para fase de quase-exaustão e resistência. Por outro lado, os participantes na fase de resistência tiveram seus níveis de estresse reduzidos para fase de alerta e quem estava na fase de alerta depois da aplicação da terapia musical passou a não possuir sintomatologias necessárias para serem enquadradas com estresse. Diante disso, e com base no teste estatístico e norteado pela entrevista episódica, concluiu-se que a musicoterapia organizacional receptiva teve efeitos significativos na redução do estresse e na melhoria da qualidade de vida no trabalho dos profissionais. Por fim, acredita-se que a utilização da música no ambiente organizacional configura-se como uma estratégia inovadora de cuidado humanizado para os profissionais de saúde
Abstract: A period of intense competitiveness, pressure and demand in the work environment is living in the contemporary world; with this, numerous occupational diseases, in particular stress, end up compromising workers' quality of life and organizational dynamics. Thus, the objective of this study was to analyze the influence of receptive organizational music therapy on the stress levels of nursing professionals in a public hospital. In order to reach the proposed objective, an applied research, of an explanatory nature, with a quasi-experimental procedure was carried out, complemented with systematic observation and episodic interviews, in a mixed approach. The research universe was 200 nursing professionals at the technical and higher level. They answered a sociodemographic questionnaire for their characterization and had their stress levels measured by the Inventory of Stress Symptoms for Adults of Lipp. The initial results indicated that of the 200 professionals, 32% were classified without any level of stress. In contrast, 68% of the participants were at some level of stress. Of the professionals who were under stress, 45% were in the second phase, known as resistance; 14.5% were in the third stage, termed quasi-exhaustion; 7% were classified in the first stage of stress, known as alert; and 1.5% in the last phase, classified as exhaustion. Of the 200 participants, 74 were selected to participate in organizational receptive music therapy. After 30 days of receptive music therapy, the 74 professionals who participated in this experiment had their stress levels reassessed and compared to stress levels prior to musical intervention using the Wilcoxon test. The results of the test showed that stress levels in the phases of resistance, quasi-exhaustion and exhaustion were minimized after musical application. In turn, the alert phase increased considerably after the musical intervention, and this is positive, considering that it is considered as the manifestation phase of eustresse. This was due to the fact that the professionals who were in the phases of exhaustion and quasi-exhaustion had their stress indexes reduced respectively to the phase of quasi-exhaustion and resistance. On the other hand, the participants in the resistance phase had their stress levels reduced to alert phase and those who were in the alert phase after the application of music therapy did not have the necessary symptoms to be framed with stress. Given this, and based on the statistical test and guided by the episodic interview, it was concluded that receptive organizational music therapy had significant effects on the reduction of stress and on the improvement of the quality of life in the professionals' work. Finally, it is believed that the use of music in the organizational environment is an innovative strategy of humanized care for health professionals
Keywords: Musicoterapia organizacional
Estresse
Quase-experimental
Hospital
Organizational music therapy
Stress
Semi-experiment
Hospital
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS SOCIAIS APLICADAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal Rural do Semi-Árido
metadata.dc.publisher.initials: UFERSA
metadata.dc.publisher.department: Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas - CCSAH
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Cognição, Tecnologias e Instituições - PPGCTI
Citation: Citação com autor incluído no texto: Matoso (2018) Citação com autor não incluído no texto: (MATOSO, 2018)
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/1094
Issue Date: 19-Jun-2018
Appears in Collections:MESTRADO EM COGNIÇÃO, TECNOLOGIAS E INSTITUIÇÕES

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LeonardoMLM_DISSERT.pdf1.5 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.