Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/5380
metadata.dc.type: Dissertação
Title: A pedagogia no capsi: construindo práticas de cuidado e aprendizagem
metadata.dc.creator: Cunha, Luisa Maria Nunes da
metadata.dc.contributor.advisor1: Demoly, karla Roseane do Amaral
metadata.dc.contributor.advisor-co1: Freitas, Claudia Rodrigues de
metadata.dc.contributor.advisor-co2: Soares, Francisca Maria Gomes Cabral
metadata.dc.contributor.referee1: Fontenelle, Maria Aridenise Macena
metadata.dc.description.resumo: A pedagogia no CAPSi, construindo práticas de cuidado e aprendizagem, é um estudo que consiste na análise como a pedagoga do CAPSi atualiza suas práticas de cuidado e aprendizagem no transcurso de uma experiência de composição de autonarrativas sobre o próprio fazer. A motivação para construção da pesquisa se deu diante das inquietudes da autora relacionadas ao trabalho com crianças e adolescentes envolvidos com transtornos mentais/ sofrimento psíquico. Como objetivo busco compreender como a pedagogia presente em um ambiente de saúde mental pode favorecer a construção de metodologias para melhorar a qualidade de vida dos sujeitos atendidos. O estudo teórico para a análise é construído com base nos estudos existentes sobre a pedagogia nos centros de atenção psicossocial, a metodologia em primeira pessoa e a perspectiva da enação e da autopoiése como ferramentas para pensar sobre como vamos melhorando a experiência agindo sobre si mesmo. A escrita apresenta a sustentação de redes teóricas como fundamentação da experiência da pedagoga na saúde mental, englobando o percurso histórico da saúde mental; percurso de implantação dos Caps no Brasil, no Rio Grande do Norte e em Mossoró-RN e, ainda, interação com trabalhos que discutem sobre a pedagogia nos CAPS. Como aprendizagens e contribuição da pesquisa, pude compreender que no Centro de Atenção Psicossocial da Infância e Adolescência (CAPSi), há pistas que a pedagoga reconstrói sua experiência e passa a interagir com diferentes profissionais que atendem crianças ou adolescentes com autismo, depressão, deficiência intelectual, moderada, grave, paralisia cerebral, esquizofrenia, entre outras. Os espaços terapêuticos se tornam mais potentes, ao serem vivenciados de forma conjunta, onde o sujeito também é participante do processo, interagindo com a equipe multiprofissional e com os outros usuários. Até mesmo ao posicionar-se como se sente ao tomar um medicamento, dar-se conta de que está mais alegre, tranquilo, ou mais agitado, triste, confiante. Dedicar-se a conversar sobre como acontece a experiência como estratégia importante para o trabalho da pedagoga junto da equipe. A pedagoga oferece ao grupo a possibilidade de trabalho de reconstruir as noções de aprendizagem, considerando estar no contexto da saúde mental; a repensar sobre o afeto tão presente no discurso pedagógico, o que na saúde mental passamos a pensar sobre como lidamos com o afeto catalisador e, ainda, na minha experiência, a pedagoga pode favorecer junto às redes de atendimento a atenção, a experiência de crianças e adolescentes nos contextos da educação inclusiva e da saúde mental, ajudando a fazer com que as redes efetivamente existam. Entendemos que, através da interação que envolve processos de conexão consigo mesmo e a convivência com o outro, podemos aprender como pedagoga a lidar com as diferenças em nossas próprias vidas e, assim, dar a nós mesmos e ao outro oportunidades para aprender e praticar o cuidado necessário à melhoria da vida humana.
Abstract: A CAPSi pedagogy, building care and learning practices, is a study that analyzes how a CAPS pedagogue updates her care and learning practices through an experience of self-narrative composition about the process itself. A motivation for the construction of the research was given to the author's inquiries related to work with children and adolescents involved with mental disorders / psychological distress. As the goal of the search to understand how the pedagogy present in a mental health environment can favor the construction of methods to improve the quality of life of the subjects attended. The theoretical study for analysis is built on existing studies of psychology in psychosocial care centers, a first-person methodology, and a perspective on enaction and autopoiesis as tools for thinking about how we will improve the experience yourself. The writing presents the support of theoretical networks as the foundation of the experience of pedagogy in mental health, encompassing the history of mental health; Caps implantation tracking in Brazil, Rio Grande do Norte and Mossoró-RN, as well as interaction with papers that discuss CAPS pedagogy. How the learning and research contributions, including the Child and Adolescent Psychosocial Care Center (CAPSi), are tracking the reconstruction of pedagogy, their experience, and interacting with different professionals who study children or adolescents with autism, depression or disability. Intellectual, moderate, severe, cerebral palsy, schizophrenia, among others. Therapeutic spaces become more potent when they are lived together, where the individual also participates in the process, interacting with a multiprofessional team and other users. Even the same position you feel when taking a medicine, realize that is more cheerful, quiet, or more agitated, sad, confident. Dedicate to talk about how an experience happens as an important strategy for pedagogy work with the team. The pedagogue offers the group the possibility of work to reconstruct the notions of learning, considering to be in the context of mental health; to rethink about the affection so present in the pedagogical discourse, what in mental health we start thinking about how we deal with the catalytic affect and, in our experience, the pedagogue can favor the attention networks, the experience of children. and adolescents in the context of inclusive education and mental health, helping to make networks effectively exist. We understand that through interaction involving processes of connection with oneself and living with one another, we can learn as a pedagogue to deal with differences in our own lives and thus give ourselves and others opportunities to learn and practice. care needed to improve human life.
Keywords: Pedagogia
Saúde Mental
Práticas de cuidado
Aprendizagem
Autonarrativas
Pedagogy
Mental health
Care practices
Learning
Autonarratives
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS HUMANAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal Rural do Semi-Árido
metadata.dc.publisher.initials: UFERSA
metadata.dc.publisher.department: Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas - CCSAH
metadata.dc.publisher.program: Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Cognição, Tecnologias e Instituições - PPGCTI
Citation: Citação com autor incluído no texto: Cunha (2019) Citação com autor não incluído no texto: (CUNHA, 2019)
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/5380
Issue Date: 31-Jul-2019
Appears in Collections:MESTRADO EM COGNIÇÃO, TECNOLOGIAS E INSTITUIÇÕES

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LuisaMNC_DISSERT.pdf518.72 kBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.