Please use this identifier to cite or link to this item: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/3200
metadata.dc.type: Trabalho de Conclusão de Curso
Title: Uso de diferentes crioprotetores na criopreservação de células somáticas de onça-pintada, Panthera onca (LINNAEUS, 1758)
metadata.dc.creator: Oliveira, Lhara Ricarliany Medeiros de
metadata.dc.contributor.advisor1: Pereira, Alexsandra Fernandes
metadata.dc.contributor.referee1: Queiroz Neta, Luiza Bento de
metadata.dc.contributor.referee2: Praxedes, Érika Almeida
metadata.dc.description.resumo: A onça-pintada, terceiro maior felino do mundo e o maior do continente americano, é um carnívoro de elevada importância ecológica e econômica. No Brasil, esta espécie encontra-se classificada como vulnerável à extinção e a formação de criobancos de recursos somáticos representa uma ferramenta interessante para a conservação da espécie. Contudo, alguns fatores podem afetar o sucesso desses bancos, como a solução de criopreservação empregada. Portanto, o objetivo foi avaliar o efeito do tipo de crioprotetor intracelular (dimetilsulfóxido, DMSO e etilenoglicol, EG) na ausência ou presença de um crioprotetor extracelular (sacarose, SAC) sobre a morfologia, confluência, viabilidade e atividade metabólica de células somáticas imediatamente após a descongelação e sete dias de cultivo in vitro. Para tanto, amostras de pele do pavilhão auricular apical (1–2 cm2) foram recuperadas de cinco onças-pintadas anestesiadas e pertencentes a zoológicos do Ceará, Paraíba e Pernambuco. Após o transporte por 3–8 h em meio essencial mínimo modificado por Dulbecco (DMEM) suplementado com 10% de soro fetal bovino (SFB) e 2% de solução de antibióticos-antimicóticos a 4°C, amostras foram tricotomizadas, fragmentadas (9,0 mm³) e cultivadas em DMEM contendo 10% de SFB e 2% de solução de antibióticosantimicóticos, a 38,5°C, numa atmosfera de 5% de CO2. A cada 24 h, amostras teciduais em cultivo foram monitoradas e quando as células atingiram 70% de confluência, células foram subcultivadas para obtenção da concentração desejada (1,0 x 105 células/mL). Para a criopreservação, células foram submetidas à congelação lenta em meio contendo DMEM acrescido de 10% de SFB e o crioprotetor, de acordo com os grupos: 10% de DMSO [DMSO], 10% de DMSO e 0,2 M de SAC [DMSO-SAC], 10% de EG [EG], e 10% de EG e 0,2 M de SAC [EG-SAC]. Antes da criopreservação (grupo controle), após a descongelação, e cultivo pósdescongelação, células foram avaliadas quanto às características morfológicas e confluência usando microscópio invertido. Além disso, células nesses mesmos momentos, foram submetidas ao ensaio de azul de tripan para quantificação da viabilidade. Adicionalmente, a atividade metabólica usando o ensaio de brometo de [3-(4,5-dimetiltiazol-2yl)-2,5-difenil tetrazolium] (MTT) foi mensurada antes e após cinco e sete dias de cultivo pós-descongelação. Todos os dados foram expressos como média ± erro padrão e comparações foram realizadas usando ANOVA seguido de teste de Tukey (P<0,05). Após cinco repetições (um animal/uma repetição), nenhuma diferença foi observada na morfologia nas células antes e após a descongelação, e cultivo pós-descongelação, ou seja, a morfologia foi consistente com um aspecto fusiforme e núcleo central ovalado. Além disso, a confluência observada foi similar entre todos os grupos. Quanto à viabilidade, uma taxa média de viabilidade de 97,8% ± 1,1 foi obtida antes da congelação. Após análise com azul de tripan imediatamente após a descongelação, células derivadas do grupo DMSO (53,7% ± 9,8), DMSO-SAC (58,6% ± 15,6), e EG-SAC (52,5% ± 14,9) apresentaram maiores taxas de viabilidade quando comparadas às células do grupo EG (45,8% ± 12,9). Além disso, no cultivo pós-descongelação, todas as células apresentaram similares taxas de viabilidade, sendo essas taxas superiores aos valores imediatamente após a descongelação. Já para a atividade metabólica, no dia 5 os grupos DMSO (77,0% ± 3,7) e DMSO-SAC (76,0 ± 2,7) foram superiores aos outros tratamentos, mas nenhuma diferença foi observada entre o grupo não criopreservado (100,0% ± 1,8) e criopreservados, no dia 7 de avaliação (DMSO: 89,1% ± 4,1; DMSO-SAC: 87,3% ± 4,8; EG: 85,7% ± 5,3; EG-SAC: 87,3% ± 5,0). Em conclusão, a combinação de DMSO ou EG e SAC foi eficiente na criopreservação de células somáticas de onças-pintadas. Adicionalmente, o cultivo pós-descongelação promoveu uma melhora da viabilidade de células somáticas. Essas informações irão contribuir para a formação de criobancos de recursos somáticos adequados para onças-pintadas.
Abstract: Não possui
Keywords: Congelação lenta
Criobancos de células somáticas
Gênero Panthera
metadata.dc.subject.cnpq: CNPQ::CIENCIAS BIOLOGICAS
metadata.dc.language: por
metadata.dc.publisher.country: Brasil
Publisher: Universidade Federal Rural do Semi-Árido
metadata.dc.publisher.initials: UFERSA
metadata.dc.publisher.department: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde - CCBS
Citation: Oliveira (2019) (OLIVEIRA, 2019)
metadata.dc.rights: Acesso Aberto
URI: http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/1764
http://repositorio.ufersa.edu.br/handle/prefix/3200
Issue Date: 25-Feb-2019
Appears in Collections:Biotecnologia

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
LharaRMO_MONO.pdf1.22 MBAdobe PDFView/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.